Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Artigo: “Temer guloso quer comer os seus direitos!”

Montagem: Charles L'Astorina/ Comerciários

Montagem: Charles L’Astorina/ Comerciários

Imagine trabalhar 12 horas de pé na frente de loja, com salário reduzido e sem carteira assinada. Essa é a proposta de Reforma Trabalhista do “presidente” Michel Temer, que não tem nenhuma legitimidade para governar o país e muito menos para propor essas mudanças absurdas na vida de todas as trabalhadoras e trabalhadores brasileiros.

Seria como voltar às humilhantes condições de trabalho dos primeiros tempos da Revolução Industrial ou, o que é pior, de quando a escravidão era legalizada no Brasil. A proposta de Reforma Trabalhista (PL 4.962/16) que Temer pretende enviar ao Congresso, inclui, dentre outras medidas, redução dos salários abaixo do mínimo legal, terceirização sem limites e, o golpe final, ampliação da jornada para 12 horas/dia e incríveis 80 horas/ semana.

Ele quer te enganar “Não há nada mais indigno do que ficar desempregado”, diz o presidente xing ling, tentando nos assustar com o desemprego e nos convencer a aceitar até trabalho escravo. O que ele não diz é que, com as pessoas tendo que trabalhar mais horas, vai diminuir a necessidade de novas contratações por parte das empresas. Ou seja, os patrões e os ricaços vão ganhar ainda mais dinheiro e não vão resolver o desemprego.  

A precarização do trabalho seria para todos, mas teria como principais vítimas aqueles que hoje têm menos benefícios e garantias, como é o caso dos trabalhadores no comércio. E atingiria de forma especialmente dura os mais jovens, colocando em perigo o futuro de quem ainda nem entrou no mercado de trabalho. Afinal, com menos qualificação e sem experiência na Carteira, tendem a ser os maiores reféns da terceirização.

Fim da CLT – Se aprovado, o projeto também permitiria que o que for negociado entre patrões e empregados isoladamente se sobreponha às leis trabalhistas (“negociado sobre o legislado”). Isso jogaria no lixo a CLT e abriria espaço para diminuir as férias, acabar com o 13º salário e reduzir até o horário de almoço. Sem falar na absurda proposta de estabelecer a remuneração por horas trabalhadas, a depender da necessidade do patrão. E se você está achando que isso vai aumentar a renda de quem trabalha duro, fique esperto! Se os caras querem até tirar a nossa hora de almoço, como os patrões defendem publicamente, acha mesmo que iriam pagar dignamente por essas horas extras-piratas!?

O patrão quer ainda jogar o pepino pra cima dos Sindicatos, exigindo que negociem diretamente com os donos das empresas o quanto seria pago pela exploração a mais. Nessa relação direta patrão x empregado, sem os limites da CLT e o equilíbrio da Justiça, o patrão é sempre mais forte que o empregado. Afinal, ele pode demitir grande parte de uma categoria para assegurar o que realmente lhe interessa, o lucro.

Mas é possível evitar esse massacre. Nas últimas eleições presidenciais, o Brasil votou contra a perda dos direitos trabalhistas. Em 2014, nenhum dos candidatos teve a cara de pau de propor algo tão absurdo. Não vamos admitir que um presidente genérico, sem voto, venda às empresas as horas de descanso, o salário e a dignidade dos trabalhadores e trabalhadoras.

Márcio Ayer,

Presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio/ Filiado à CTB