Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Novembro, mês de Charme e Consciência

charme-e-conscienciaO Sindicato dos Comerciários do Rio vai realizar esse ano sua primeira Semana da Consciência Negra, com uma série de eventos para celebrar a contribuição dos negros e negras à construção da nacionalidade brasileira. A programação terá início no dia 11/11 (sexta-feira), com um grande baile Charme liderado pelo lendário DJ Corello. “Optamos por abrir a Semana com um baile justamente para conectar os diversos atores da luta pela igualdade racial e da cena cultural do Rio”, explicou o secretário-geral do Sindicato, Marcelo Black.

Na sequência, dois debates serão realizados para promover reflexões sobre a inserção produtiva das negras e negros na sociedade brasileira. No primeiro deles, em 16/11 (quarta-feira), os cientistas sociais Mário Theodoro e Newton Oliveira vão discutir a  influência da desigualdade racial e do racismo no mercado de trabalho. No dia seguinte, as especialistas Alessandra Benedito, Ana Rocha e Mônica Custódio vão debater a subvalorização da força de trabalho das mulheres negras. Todos os eventos vão acontecer na sede do Sindicato dos Comerciários do Rio (R. André Cavalcanti, 33 – Lapa). Confira abaixo a programação completa:

  • Baile com DJ CorelloSexta, 11/11, às 20h. Ingresso para o baile: R$ 20 (grátis para sócios);
  • “Desigualdade racial e o racismo no mercado de trabalho”Debate com Mário Theodoro e Newton Oliveira. Quarta, 16/11, às 18h. Entrada franca;
  • “Subvalorização do trabalho da mulher negra, discriminação de raça e sexo”Debate com Alessandra Benedito e Ana Rocha. Quinta, 17/11, às 18h. Entrada franca.

Zumbi – O Quilombo dos Palmares, em Alagoas, foi um dos principais focos de resistência à escravidão no Brasil. Durante mais de um século, Palmares resistiu aos ataques militares da Coroa Portuguesa. Em 1695, por conta dessa ousadia, Zumbi, seu principal líder, foi morto e teve a cabeça exposta em praça pública. O objetivo dos portugueses era semear o medo entre os negros escravizados. Só que o efeito foi oposto, despertando em muitos a consciência de que era possível rebelar-se contra a escravidão. Em meados do século passado, a figura histórica de Zumbi dos Palmares foi resgatada pela ação dos movimentos negros brasileiros. O 20 de novembro, data de sua morte, passou a ser comemorado em mais de mil cidades brasileiras com o Feriado de Zumbi dos Palmares, e o mês de novembro passou a ser dedicado à reflexão sobre o racismo e outras heranças perversas do nosso passado escravocrata.